Construção Coletiva vence eleição do DCE da Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP)

Grito Estudantil e Muda unificaram-se numa chapa: Construção Coletiva

O Movimento Estudantil dá mais um passo a frente em Pernambuco. Está de volta a luta dos estudantes o Diretório Central dos Estudantes da Universidade Católica de Pernambuco DCE-UNICAP, após as eleições ocorridas nos dias 25 e 26 de outubro.
A UNICAP tradicional Universidade de Pernambuco paga do Estado, se enquadra entre as mais caras instituições de ensino, devido aos altos custos das mensalidades e as abusivas taxas cobradas na graduação, aliado a escassez de bolsas, que ocasiona um alto índice de evasão. Com essa realidade os estudantes precisavam de um DCE de luta e atuante, porém, não era isso que acontecia. As últimas gestões vinham com uma inoperância, concordando com o aumento das mensalidades e fazendo mau uso da sede do DCE-UNICAP.
O movimento Grito Estudantil surgiu justamente para fazer diferente, realizou várias mobilizações na UNICAP e chegou a vencer a última eleição do DCE em 2010, porém o estreito vínculo das antigas gestões (UJS) com a administração da Universidade fez com que os espaços do DCE não fossem assumidos e as portas foram fechadas, para a gestão Grito Estudantil. Essa realidade trazia um enorme prejuízo para os estudantes.
Após muito diálogo entre os grupos a eleição para reabrir o DCE foi definida, grupos que temiam “perder” o DCE não queriam a disputa. Foram ampliados os prazos da eleição para que todos pudessem participar. Então, houveram duas chapas: Viração e Construção Coletiva;
Venceu a vontade dos estudantes na renovação e no compromisso com um sério movimento estudantil com 75% dos votos foi eleita a construção coletiva, que reuniu a experiência e a força dos movimentos Grito Estudantil, MUDA e Pra Fazer Diferente.

Marcus Vinícius é Presidente do DCE UNICAP

Estudantes barram mais um golpe na FUMEC (MG)!

Renovação sente falta da ditadura, quando não precisavam de eleição

No dia 21 de junho, em pleno período de provas e fim de semestre, os membros da Renovação (antiga gestão do DCE FUMEC e chapa derrotada nas eleições de setembro de 2011), mais uma vez tentaram dar um golpe na decisão dos estudantes e puxaram uma Assembléia Geral com objetivo de destituir a gestão Construção Coletiva do DCE. Agumentando irregularidades no processo eleitoral que eles próprios tentaram burlar, roubando documentos da sede do DCE e se recusando assinar o resultado legítimo da apuração dos votos das eleições, onde eles perderam vergonhosamente.

Essa Assembléia foi puxada, sem nenhuma legitimidade, entre os responsáveis por sua convocação estavam o ex-presidente do DCE e dois DA’s que não fazem eleições para renovar sua diretoria há anos. Isolados, os golpistas da Renovação, começaram perdendo a direção da mesa da Assembléia e daí em diante todas as votações que ocorreram.

Mesmo em período de prova, a gestão Construção Coletiva do DCE convocou cerca de 70 estudantes para a Assembléia que foram UNANIMES em reafirmar que a Gestão CONSTRUÇÃO COLETIVA do DCE FUMEC é sua legítima representante.

Essa postura arbitrária é comum àqueles que não se acostumaram que em uma democracia a maioria decide, e se consideram donos do DCE, prova disso foi o vídeo apresentado na Assembléia de vários membros da Renovação e seus parceiros da PUC, PSDB e PMDB roubando o patrimonio do DCE após perderem as eleições. Porém, o DCE FUMEC gestão Contrução Coletiva fará de tudo para garantir a democracia na FUMEC, acabou a regalia daqueles que se beneficiavam  com a estrutura do DCE, agora quem decide são os estudantes!

Médici não! Viaduto Padre Henrique!

Entidades estudantis propõe mudança no nome do viaduto

Entre 1964 e 1984 o Brasil viveu um período lastimável de sua história. Houve um golpe militar, patrocinado pelos EUA e por empresários brasileiros, que perseguiu, torturou e assassinou centenas de jovens, trabalhadores e militantes políticos. A ditadura acabou, porém, muitos vestígios ainda persistem até hoje, como o nome de milhões de ruas, avenidas, viadutos e logradouros públicos levando o nome de torturadores e assassinos.
No dia 28 de maio, entidades estudantis pernambucanas (DCE-UFRPE, UESPE, DA da Área II da UFPE, entre outras) fizeram um ato-protesto pela mudança do nome do Viaduto Presidente Médici para Viaduto Padre Henrique (assassinado pela ditadura há 40 anos). Importante iniciativa das entidades estudantis pernambucanas que deve ser seguida em todo o país, para que nunca se esqueça, para que nunca mais aconteça.